F

Faceta – Superfície lapidada de forma plana e polida em uma gema.

Fieira – Peça de metal com furos calibrados que podem ser redondos, ovais, quadrados, retangulares, etc. por onde é passado o fio recozido, para se conseguir o formato e espessura desejados.

Fígado de Enxofre – Composto de potássio e enxofre usado para o escurecimento de prata e bronze.

Filigrana – Técnica antiga, bastante utilizada pelos bizantinos, feita com fios de metal finíssimos, formando desenhos em espaços vazados ou sobre o metal, produzindo delicados desenhos com aparência de renda.

Fissura – Fratura ou clivagem que aparece nas gemas.

Fluorescência – Propriedade que alguns minerais tem de emitir luz em diversas cores, quando expostos às radiações de comprimentos de onda muito curtos e menores que os da luz visível, tais como a luz ultravioleta e os raios X.

Forja – Técnica de dar forma ao metal com golpes de martelo até se conseguir o formato desejado para peça.

Fotogravação – Processo em que se emprega a luz ultravioleta para transferir o desenho para o metal, que posteriormente é gravado a ácido.

Fresa – Ferramenta cortante usada para retirar metal ou para perfurar.

Fundente – (ourivesaria) Produto químico usado para soldar, impede a formação de óxidos metálicos e ajuda a solda a fundir e fluir melhor. – (esmaltação) Material vítreo e incolor, utilizado como base para o esmalte.

Fundição – Ação de fundir. Método de produção de um objeto, onde qualquer metal é aquecido até tornar-se líquido e vertido dentro de um molde. Instalação industrial onde se funde metais.

Fundição por cera perdida – Processo de reprodução de peças de joalheria, onde é usado um molde em cera para dar a forma ao gesso refratário. Depois a cera é retirada e o metal derretido é introduzido no molde formando a peça.

Fundir – Do latin fundere. Converter um sólido em líquido, pela ação do calor, derreter. Técnica usada para reprodução de peças de joalheria.

Fusão – Método de unir metais por aquecimento, sem o uso de solda, fundindo as superfícies em contato.

Fuste – Suporte, geralmente de madeira, onde a peça é fixada com lacre para engastar as pedras.

G

Galeria – Acabamento feito em peças de joalheria, para dar aspecto de uma espessura maior de metal.

Gema – A grande maioria das gemas são minerais, algumas são rochas, mas também podem ser consideradas gemas alguns materiais de origem orgânica, vegetal ou fóssil. Não existe uma linha divisória bem definida para o termo gema, podendo ser incluídos, madeira, ossos, âmbar, pérolas azeviche, marfim, ébano, madrepérola, madeiras petrificadas e outros materiais apropriados para se fazer ornamentos, que podem ser utilizadas em seu estado natural, polidas ou lapidadas.

Gemas compostas – São imitações feitas com a união de duas ou mais substâncias. A este grupo pertencem os doublets, compostos de duas partes, e os triplets, composto por três partes. Existem várias combinações, por exemplo; parte superior e inferior de gemas naturais e um cimento colorido intermediário, ou parte superior de gema incolor e parte inferior de vidro colorido. Um triplet é formado quando um doublet é recoberto com uma fina camada de uma gema dura que atua como protetora.

Gemas de imitação – São imitações feitas para parecer com a gema natural. Imitam a cor, brilho, efeitos óticos da gema natural, mas não possuem suas propriedades químicas ou físicas.

Gemas reconstituídas – São obtidas pela prensagem e fundição de lascas ou pó de gemas naturais, formando peças maiores.

Gemas sintéticas – Produto artificial que apresenta a mesma composição química, a mesma estrutura cristalina, e propriedades físicas idênticas ou muito próximas a um material gemológico natural existente, tendo, em primeira análise, as mesmas propriedades físicas e químicas que o seu parente natural.

Gemas tratadas – Gemas naturais que sofreram algum processo de refinamento da cor ou aparência.

Gemologia – Ramo do conhecimento científico que estuda os materiais gemológicos quanto à sua natureza, variedades, propriedades físicas e químicas, inclusões, proveniências, tratamentos, lapidação, imitações, sintéticos, etc., recorrendo a técnicas não destrutivas de identificação. A gemologia é um domínio interdisciplinar, abarcando áreas científicas da mineralogia, cristalografia, geologia, geoquímica, química, física e biologia. Além desta vertente acadêmica, existe uma estreita relação com o mercado de pedras preciosas, e também, por analogia, da joalheria.

Granulador – Ferramenta de aço em forma de haste, com ponta côncava, usada pelos cravadores para arredondar as pontas de metal na cravação.

Grão – Antiga unidade de peso utilizada para pérolas naturais, equivalente a 1/4 de quilate, ou seja, 49,8 miligramas. O grão foi superado pelo peso em quilate.

Gravação a ácido – Corrosão com ácido da superfície do metal para criar desenhos e texturas

Gravação a Buril – Processo de desenhar sobre o metal usando um buril.

Gravador – Aquele que grava, que pratica a arte da gravação.

Gravar – Técnica antiga de imprimir, escrever ou desenhar sobre uma superfície de metal, utilizando buril, cinzel, ponta, ou reagentes químicos que queimam o metal, formando desenhos ou inscrições, ou até preparando a superfície para esmaltar.

H

Hábito – Refere-se a tendência que os cristais de uma mesma substância química têm de apresentar a mesma forma externa, isto é, o mesmo hábito.

Atelier Lélia Copruchinski - tel: (41) 9186-8731 / 3232-5638 - Curitiba - Paraná - Brasil
mais informações sobre o livro
tudo sobre

Design de Joias

saiba mais